Nietzche novamente! Com a ajuda do google.

Toda sorte de figuras aparecem por aqui no blog e deixam seus comentários. A maioria deles são comentários interessantes por incrível que pareça. Hoje, um maluco chamdo Rogério Tavares (no bom sentido) deixou um comentário muito bacana referente ao post Nietsche e o Nilismo

Segue o comentário dele…

Rapaz, é e NÃO É!

Não consigo crer na mediocridade de um separatismo pseudo-cristão, que prega que “Deus tem tudo a dar aos seus eleitos – aqueles que se arrependem” e “às favas com o resto do mundo” … Isso é o que eu tenho visto na religiosidade evangélica de hj, o mesmo separatismo judeu do Antigo Testamento, no qual o resto do mundo é nada mais que um lixo!

Acredito no resgate da moral como conjunto construtor e não auto-destrutivo. Creio nos valores morais como prerrogativas para uma vida simples, pacata, pouco ambiciosa, de “deleites saudáveis” … não gosto da pregação da miséria como condição de “santidade”, nem da prosperidade material como fator para ser um “separado de Deus”.

Creio em coisas mais simples, como o amor ao próximo, e à consciência da existência de um ser superior … mas nada da arrogância do A.T., nem do auto-flagelo pregado após o N.T. … para mim o evangelho é espiritual … creio também na força do estudo, do trabalho, da perspicácia, da paciência e da auto-disciplina como elementos de sabedoria.

Acredito que se o mundo estivesse realmente condenado, Deus não faria a injustiça de continuar nos colocando aqui … não creio na “compra de bençãos”, pra mim esse é um ideal mesquinho parecido com o da macumba … O SOL NASCE PARA TODOS! A doutrina do super-homem nos distancia dessa realidade, nos faz seres débeis predestinados a uma “seleção natural” de Q.I. … pra mim, Nietzche ainda soa como um “cultuador do Gênio”, mas desde que esse gênio seja, é claro, ele próprio. E desafia o mundo para que surjam outros como ele … quem sabe não foi nesse modo de pensar que Hitler viajou? Claro que, quando adquirimos e/ou desenvolvemos um “raciocínio notável” fica ás vezes difícil conviver com “os mais burros”, mas eu creio que é por aí mesmo, através da exposição de idéias que podemos tentar “melhorar um pouco o mundo”, mas sempre com respeito.

Se Rosseau pregava um Contrato Social, mesmo que o seu resultado fosse medíocre para uma minoria, seria ele o Contrato a ser respeitado. Se de um lado temos que os pecadores terão seu lugar no inferno – frase que mais parecia uma “revolta intelectual” de alguns judeus contra o Império Romano, de outro também lemos na Bíblia que todo governo é por Deus instituído (ou seja, por sua permissão)… se é esse mesmo o destino, ou seja, a condenação da humanidade, espero sinceramente que ela não se concretize nos meus tempos, e que eu possa alcançar um lugar cativo no coração do supremo criador – não através de “rituais religiosos de compra de amor divino”, ou de “livramento do mal – os tais descarregos ou limpeza de corpo – não acredito em benzadeiras, rezas decoradas, leituras irracionais, preconceito para com o próximo – o que é bem diferente de uma argumentação de opiniões, de forma respeitosa – ,ganância sob qualquer pretexto – político, étnico, religioso etc), soberba (tanto “espiritual”, como no “culto ao gênio”), faccionismo, violência física abrupta (não sou contra a legítima defesa – tipo cortar o braço de alguém para não morrer) como os assassinatos … enfim, podem me chamar de covarde, mas sou um cara MANSO.

Vez ou outra surge uma corrente que pretende “mudar a história da humanidade” através da “imposição de valores”, nem que seja por pressão psicológica … Já que, para o Cristianismo a humanidade como a conhecemos está condenada e para o ateísmo, sobretudo o de Nietzche, o homem tem o direito de repetir suas experiências, mesmo as que resultaram em desastres (o Eterno Retorno, ou o contínuo porvir), prefiro deixar essa equação para Deus resolver, afinal foi Ele quem criou o homem (a meu ver) … não creio nele para o mal (com medo do inferno), mas para o bem – como criador e proporcionador de quantos dias e alegrias me forem dados) … a minha parte eu tento fazer ao tentar acrescentar alegria à vida, ou ao menos diminuir suas tristezas … fazer o bem, sem ver a quem, formando uma opinião coerente sobre o que seria bem é claro (mais uma vez, valorizo o trabalho e a mansidão) … muito melhor do que querer me colocar no lugar de Deus e “salvar a humanidade” é arrumar um empreguinho, tentar não explorar ninguém, servir à minha família, assistír à Fórmula 1, tomar minha cerveja de vez em quando (muito de vez em quando – não acredito no “poder construtivo dos vícios” – ou seja, não gosto da idéia de ficar viciado – EM NADA), escrever algo como agora, ver vídeos, ir à praia, etc, etc, e sempre que possível ajudar alguém, dentro da “minha moral”. Sou cristão, admito, mas não religioso. Religião é crime! É a violação do “pensar por sí mesmo”.

Acredito que o pecado, as doenças, as tristezas, etc, fazem parte da nossa vida, mas como “martelos lapidadores”. Somos animais sim, mas RACIONAIS! Têm de haver aprendizado, tem de haver evolução! Mas pra mim Nietzche era um louco, que procurava deturpar a moral a seu bel-prazer, pra depois vir com um pretexto de que era “o primeiro imoralista” – faça-me rir – … então porque ele exaltava a prudência, a delicadeza, o auto-conhecimento, e de certa forma, o respeito ? Ora, esses são valores morais!

Então tá, vamos agora sair traindo todo mundo, matando todo mundo, destratando todomundo, xingando todomundo … pra mim, Nietzche não era um filósofo. Realmente, nenhum escrito se assimila ao dele, pois ele era “demasiado confuso” … em nome de uma pseudo-evolução, queria voltar a ser primitivo … pra mim ele vale como uma peça na equação, para nos lembrar: somos ANIMAIS! Mas não somos descerebrados instintivos, ansiosos por comer, cagar, GOZAR … pra mim essa é a PRIVADA da vida! Se não for bem limpinha e adornada, ninguém suporta! Sejamos únicos, mas sejamos notáveis, não no sentido exótico do termo, mas em um sentido pacífico (na medida do possível) … pra mim essa é a cruz do Cristianismo … mas ainda sim, não parece ser a vontade de Deus nos ver angustiados, ansiosos, paranóicos (afinal, já faz até mais de 2000 anos que “o mundo está para acabar”)… sejamos covardes, no sentido de que não devemos aniquilar essa existência em função de outra, mas de que podemos e devemos fazer bonito aqui em baixo pra um dia ter algo melhor! A vida é bela, se vivida sem neuroses … talvez a pequenês alemã já fosse primitiva o suficiente – o que descartaria a “necessidade das opiniões de Nietzche”.

Só a paz melhora a vida, e não o idealismo, nem a religião, nem o primitivismo, nem o racionalismo – apesar de que as minhas palavras tenham um pouco de cada – o que FODE o mundo são os extremos! Sejamos covardes meus amigos, ou melhor, lutemos apenas pelo essencial – tudo o que é primitivo – porém com respeito e com o “jeitinho brasileiro” … sim, o mundo é um moinho, mas só pelo hj eu já sou agradecido …

Paz pra todos, pois é o melhor que eu posso desejar!

1 comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *